segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Frases de Matemática
A matemática vista corretamente, possui não apenas verdade, mas também suprema beleza - uma beleza fria e austera, como a da escultura.
A matemática é a única ciência exata em que nunca se sabe do que se está a falar nem se aquilo que se diz é verdadeiro.
A matemática é o alfabeto com o qual DEUS escreveu o universo
A Matemática não mente. Mente quem faz mau uso dela.
A medicina cria pessoas doentes, a matemática, pessoas tristes, e a teologia, pecadores.
Creio que a verdade é perfeita para a matemática, a química, a filosofia, mas não para a vida. Na vida contam mais a ilusão, a imaginação, o desejo, a esperança.
Bem, todos morrem um dia, é simples matemática. Nada de novo. A espera é que é um problema.
Não existem métodos fáceis para resolver problemas difíceis.
Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil.
Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente.
Agora é legal para uma mulher católica evitar a gravidez recorrendo à matemática, contudo ela está ainda proibida de recorrer à física ou à química.
Se as leis da Matemática referem-se à realidade, elas não estão corretas; e, se estiverem corretas, não se referem à realidade
Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.
Quando achamos a matemática e a física teórica muito difíceis, voltamo-nos para o misticismo.

Deus existe, visto que a matemática é consistente, e o Diabo existe, visto que não podemos prová-lo.
Deixei de gostar da matemática, depois que x deixou de ser sinal de multiplicação
A física é a poesia da natureza. A matematica, o idioma.
A matemática da vida não é saber contar 1 + 2,é sim saber que um simples erro de cálculo pode levar a sérias consequencias!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O Tangram é um quebra-cabeça chinês formado de sete peças: um quadrado, um paralelogramo, dois triângulos isósceles congruentes maiores, dois triângulos menores também isósceles e congruentes e um triângulo isósceles médio. As sete peças formam um quadrado. Surgiu há mais de 2000 anos e seu nome original, "Tchi Tchiao Pan", significa "Sete Peças da Sabedoria". Seu objetivo é conseguir montar uma determinada forma, usando as sete peças.


Hoje, o Tangram é utilizado por todo o mundo, especialmente por professores no ensino da geometria, matemática, psicologia e, principalmente, na pedagogia. Apesar de passar uma simplicidade no manuseio, ele se revela um jogo de difícil resolução por exigir muito raciocínio lógico. Existem várias lendas sobre o surgimento do Tangram. Diz algumas escrituras que: uma pedra preciosa se desfez em sete pedaços e com eles era possível formar várias formas (animais, plantas, pessoas) outra diz que um imperador deixou o seu espelho cair, e esse se desfez em 7 pedaços que poderiam ser usados para formar várias figuras. A lenda principal e mais difundida a respeito do surgimento do Tangram diz que no século XII um monge taoísta deu ao seu discípulo um quadrado de porcelana, um rolo de papel de arroz, pincel e tintas e disse para ele viajar pelo mundo e anotar tudo que visse de belo e depois voltasse. O discípulo ficou tão emocionado com a tarefa que deixou cair o quadrado de porcelana partindo-o em 7 pedaços. O discípulo, tentando reproduzir o quadrado, percebeu uma imensidão de belas e conhecidas figuras feitas a partir das 7 peças. Assim, percebeu que não precisava mais correr o mundo, pois tudo que era belo poderia ser formado pelas 7 peças do Tangram.



Além do aspecto lúdico do jogo, o Tangram pode ser explorado no ensino da Matemática. Ele pode ser utilizado em diferentes conteúdos como área, perímetro, razão, proporção, fração, multiplicação, divisão, semelhança, simetrias, transformações isométricas, etc. Pode ser explorado também em interdisciplinaridade com as Ciências, Artes e História. São inúmeras as possibilidades exploratórias do Tangram utilizando-se de material concreto de manipulação. No entanto, o uso do ambiente computacional pode ampliar ainda mais as potencialidades pedagógicas do Tangram.

              Com as peças do Tangram pode-se, dentre outras possibilidades, explorar:
- a identificação, comparação, descrição, classificação e representação de figuras geométricas planas;
- as transformações geométricas, através de composição e decomposição de figuras planas;
- a equivalência de áreas;
- a aplicação do Teorema de Pitágoras.
Além disso, com as sete peças desse quebra-cabeça é possível montar cerca de 1700 figuras dentre animais, plantas, pessoas, objetos, letras, números e outros, tornando-o um material pedagógico bastante atraente.
















































O Tangram é um quebra-cabeça chinês formado de sete peças: um quadrado, um paralelogramo, dois triângulos isósceles congruentes maiores, dois triângulos menores também isósceles e congruentes e um triângulo isósceles médio. As sete peças formam um quadrado. Surgiu há mais de 2000 anos e seu nome original, "Tchi Tchiao Pan", significa "Sete Peças da Sabedoria". Seu objetivo é conseguir montar uma determinada forma, usando as sete peças.

Hoje, o Tangram é utilizado por todo o mundo, especialmente por professores no ensino da geometria, matemática, psicologia e, principalmente, na pedagogia. Apesar de passar uma simplicidade no manuseio, ele se revela um jogo de difícil resolução por exigir muito raciocínio lógico. Existem várias lendas sobre o surgimento do Tangram. Diz algumas escrituras que: uma pedra preciosa se desfez em sete pedaços e com eles era possível formar várias formas (animais, plantas, pessoas) outra diz que um imperador deixou o seu espelho cair, e esse se desfez em 7 pedaços que poderiam ser usados para formar várias figuras. A lenda principal e mais difundida a respeito do surgimento do Tangram diz que no século XII um monge taoísta deu ao seu discípulo um quadrado de porcelana, um rolo de papel de arroz, pincel e tintas e disse para ele viajar pelo mundo e anotar tudo que visse de belo e depois voltasse. O discípulo ficou tão emocionado com a tarefa que deixou cair o quadrado de porcelana partindo-o em 7 pedaços. O discípulo, tentando reproduzir o quadrado, percebeu uma imensidão de belas e conhecidas figuras feitas a partir das 7 peças. Assim, percebeu que não precisava mais correr o mundo, pois tudo que era belo poderia ser formado pelas 7 peças do Tangram.



Além do aspecto lúdico do jogo, o Tangram pode ser explorado no ensino da Matemática. Ele pode ser utilizado em diferentes conteúdos como área, perímetro, razão, proporção, fração, multiplicação, divisão, semelhança, simetrias, transformações isométricas, etc. Pode ser explorado também em interdisciplinaridade com as Ciências, Artes e História. São inúmeras as possibilidades exploratórias do Tangram utilizando-se de material concreto de manipulação. No entanto, o uso do ambiente computacional pode ampliar ainda mais as potencialidades pedagógicas do Tangram.

              Com as peças do Tangram pode-se, dentre outras possibilidades, explorar:
- a identificação, comparação, descrição, classificação e representação de figuras geométricas planas;
- as transformações geométricas, através de composição e decomposição de figuras planas;
- a equivalência de áreas;
- a aplicação do Teorema de Pitágoras.
Além disso, com as sete peças desse quebra-cabeça é possível montar cerca de 1700 figuras dentre animais, plantas, pessoas, objetos, letras, números e outros, tornando-o um material pedagógico bastante atraente.


















































terça-feira, 4 de setembro de 2012

Plano de Aula - Sugestão

Plano de Aula - Sugestão

Conteúdo: Definição e Consequências dos Logaritmos.

Objetivo Geral: Aplicar o conceito de logaritmos, sua definição e consequências, exercitando suas aplicações para fins de comprovação.
Objetivo Específico:
.           Resolver cálculos, consolidando significados das operações fundamentais e construindo novos, em situações que envolvam a definição e consequências dos logaritmos.

Conteúdo Programático e estratégias/Metodológicas
            Quando trabalhamos com a definição de logaritmos e suas consequências, apresentamos formas de verificações e resoluções, para fins de comprovações. Sendo que sua resolução é baseada em cálculos e raciocínio operatório, desenvolvido a partir de conceitos e condições já definidas e trabalhadas anteriormente. Para a verificação dessa compreensão irei trabalhar com um jogo (quebra-cabeça), onde eles deverão resolver os logaritmos e ao encontrar a resposta, procurarão a peça correspondente e assim sucessivamente até a montagem final do jogo e descoberta do matemático e suas contribuições deixadas, que estão presentes no material disponibilizado. Com essa atividade, além de verificar a compreensão dos educandos estarei proporcionando a eles um pouco da história da matemática.

Recursos Utilizados: quadro, giz, cola, folhas de ofício e o quebra-cabeça.
1º Momento: Será orientado que os alunos se organizem em duplas e após serão distribuídos os quebra-cabeças para que resolvam os cálculos e encontrem as peças correspondentes.
2º Momento: Para os quebra-cabeças para serem montados, precisam ser resolvidos os cálculos existentes neles, para que a peça com a resposta seja adquirida e assim possa ser montado a jogo.
Obs: Cada quebra-cabeça possui um total de sete peças, sete cálculos e imagens dos principais matemáticos da história.
Évariste Galois – França Carl Gauss -Alemanha
Isaac Newton – Inglaterra Arquimedes – Grécia
René Descartes – França    Al-Khwarizmi – Pérsia
Euclides – Grécia    Gottfried Leibniz – Alemanha
Henri Poincaré – França     
Pitágoras - Grécia
                                   Tales de Mileto – Grécia
Albert Einstein - Alemanha
Leonhard Euler – Suíça             John Napier

3º Momento.  A dupla ao montar o seu jogo terá informações sobre um desses matemáticos, que passarão aos colegas em forma de leitura e o material concluído ficará exposto na sala.

Avaliação: O aluno será avaliado durante o processo de ensino aprendizagem. Serão considerados:
          Na capacidade de formulação de hipóteses e resolução de logaritmos, envolvendo operações matemáticas, a aplicação da definição e consequências dos logaritmos corretamente.
          Participação em aula, na realização de exercícios, cooperação na atividade em dupla e contribuições pessoais.

Bibliografia:
GIOVANNI, José Ruy e José Roberto Bonjorno.  Matemática – 2º Grau. Vol 1. Ed. FTD. São Paulo.
SMOLE, Kátia Stocco e Maria Ignez Diniz. Matemática – Ensino Médio. Vol 1. 1ª Série, 5ª edição. Ed. Saraiva, São Paulo:2007.

Sugestões de sites:
  1. Matemática - Portal Matemático
www.somatematica.com.br/
  1. testes matemáticos
www.testonline.com.br/matematic.htm
sites.google.com/site/desmatematicos/